Segunda-feira, 2 de Outubro de 2006

Tríptico das relações – Parte I

Ao ouvir uma pequena notícia na televisão relativa à prostituição não pagar impostos e isso ser algo que poderia geral um volume enorme de receitas a mente como é normal começou a divagar, a classificar e acabou aqui.

Assim acabei por classificar as relações físicas em três grandes grupos.

- A relação paga

- A relação física

- O fazer amor

 

Daí o tratar deste tema ser feito em três partes cada uma delas relatando um destes grupos, como sempre as minhas palavras não serão um auto de fé mas apenas um conjunto de ideias suportadas em experiências de vida.

 

A relação paga

 

Para mim a relação paga é o acto em que um dos intervenientes paga ao outro um determinado montante para que o outro preste um serviço que tanto pode ser puramente sexual ou apenas com indício de sexo que pode ou não vir a existir.

Só falarei aqui na compra de serviços por homens a mulheres embora exista também o contrário mas não tenho conhecimentos suficientes para nisso falar.

Este tema durante uns tempos exerceu sobre mim uma curiosidade imensa por isso numa dada altura da minha vida decidi ler, ver e investigar.

Comecei pelo chamado alterne, bares ou casas em que existem mulheres que fazem companhia aos homens em troca do pagamento de bebidas adulteradas e com preços completamente estúpidos, observei o ambiente algumas vezes e fiz o papel de consumidor também.

Resumindo paga-se para se ter a ilusão que se está acompanhado que se é acarinhado, mas se se olhar friamente verifica-se que esse carinho e companhia apenas existe enquanto as bebidas forem chegando à mesa ou seja é uma troca bem desfavorável para quem paga mas muita gente paga para ter este tipo de relação que nada dá, apenas uma ilusão de se ter algo que se deseja mas que nunca se alcança, não entendo o pensar de certos colegas homens mesmo por mais que me esforce.

Depois temos a prostituição propriamente dita em que o homem paga à mulher para ter relações sexuais.

Também depois de observar em vários ambientes verifiquei que o que leva um homem a escolher uma mulher também não tem padrão definido, pois tanto pode ser o preço, o serviço oferecido, ou alguma característica física da mulher.

Para conhecer experimentei, escolhi em termos meramente estéticos alguém que possivelmente me poderia agradar e fui, pois fui mas nada consegui fazer, pois o ouvir, despe-te, lava-te, anda, então?....

Tirou toda a vontade que pudesse existir.

Ainda tentei uma outra vez com alguém que parecia bem mais requintada e na realidade era, o ambiente era diferente, a postura também mas no fundo eram apenas um conjunto de técnicas para que eu atingisse o meu prazer o mais rapidamente possível para que a sessão terminasse rapidamente, e tal como da primeira vez nada consegui fazer.

Serei diferente? Não o sei apenas sei que este grupo para mim nada me diz

sinto-me : desta maneira nunca
música: Je t'aime moi non plus
publicado por ZePedro às 09:45
link do post | pensamentos vossos | favorito
55 comentários:
De Angelzita a 4 de Outubro de 2006 às 01:24
Zé Pedro,

A prostituição é a "mais antiga das profissões" por que será ? por necessidade de quem a pratica (ou não) e porque a procura sempre existirás. Qual a minha opinião sobre este tipo de reação : fria. Uma nera transação de serviços prestados que não condeno....apenas tenho dificuldade em a enquadrar nos dias de hoje (tantas outras alternativas existem)

O Porquê de procurar esse serviço seria discussão para uma inteira noite e permite-me vai muito além do coitado envergonhado, momento de solidão...etc. Muito boa gente da mais alta sociedade recorre a ela. Para mim friamente porque não querem QUALQUER TIPO DE COMPROMISSO nem vestígio daquilo que se passou e que para eles não foi mais do que algo inócuo (enfim depende...lol) ou um "fait divers" com autênticas "máquinas de fazer dinheiro"

Não condeno tal serviço desde que cada parte saiba lúcidamente para o que vai e o que poderá esperar....mas tenho muita dificuldade em entender que PRAZER tal acto pode proporcionar....e pagar por prazer ??? que ainda por cima deixa muito aquém do verdadeiro prazer ??? Contrasenso na minha forma de ver mas respeito e antes assim do que andar a usar "filhas, crianças, etc" para colmatar esse vazio. Entre o mal o menos (digo eu)

Tema provocador mas que NUNCA terá um fim enquanto a TERRA existir

Beijos ternos
Angela
De ZePedro a 4 de Outubro de 2006 às 09:13
Tens razão algo que dá para imensa conversa e que nunca terá fim.
Mas que neste caso é introduzido aqui como uma das partes em que podem ser dividas as relações.
Estou curioso em relação ao teu comentário á proxima parte.
Beijos para ti
De Lobaaaaaaaaaaaaaaaaa a 4 de Outubro de 2006 às 18:45
Voltei... porque estamos em véspera de fim de semana e quero ter uns minutinhos para as minhas leituras bloguistas... logo, logo, tenho de atacar o imenso trabalho que anda a deixar maluca [Era só um desabafo, podia ter passado à frente...desculpe o incomodo!].

Relativamente a este seu tema... sempre oportuno, pois a prostituição é a mais velha profissão do mundo (dizem, que eu não sou desses tempos), tenho a comentar o seguinte:

Há quem opte por esta actividade, por necessidade e desespero de causa. O corpo, neste caso, passa a ser um produto como qualquer outro com uma embalagem mais ou menos agradável, com um preço aceitável ou nem por isso, com um ponto de distribuição (pensão ou casa com requinte) e com uma comunicação (acho que aqui o passa-palavra, aqui, funciona demasiado bem).


Há quem opte apenas por gosto... não conseguem viver ser sexo e é isso que gostam de fazer e ponto final.

São opções e sinceramente só me resta respeitá-las.

Em relação à outra parte, porque há sempre outra parte em qualquer história, o cliente-homem ou não... o que o move?

O gosto por experiências novas, por companheiras diferentes, por técnicas arrojadas, sei lá que mais...

Ou será o desespero, também?

Também não entendo muito bem este movimento... Olhe, sabe uma coisa? Há gostos para tudo por isso é que o mundo não tomba.

Eu, sinceramente, gosto mais de uma conversa como esta...

[Beijos destes, já estava com saudades deles?]
De ZePedro a 5 de Outubro de 2006 às 17:48
O trabalho em excesso pode fazer com que fiquemos a tocar as raias da loucura mas quando tal acontece devemos encontrar algo que nos limpe a mente por uns momentos...
E é mesmo bem melhor uma conversa destas por várias razões, primeiro porque se aprende sempre, depois porque é sempre agradável, depois porque a companhia é aliciante, tambem não tem custos e tambem porque sim ora essa....
E tinha saudades dos beijos sim e mais ainda de saber o significado, mas sei que para tal vou ter muito que esperar.
Beijos simples de obrigado
De FlordeLis a 4 de Outubro de 2006 às 23:10
Olha, isso só prova que tu como homem, precisas de sentir algo mais , pelo menos sentir uma atracçao fisica,um carinho especial,algum elo entre os dois e esperas sentir também desse alguém algo semelhante. Com isto não quero dizer que queiras que exista sentimentos profundos, mas algo que te sirva de interesse para uma relaçao mais intima...

O que eu entendo perfeitamente.

De ZePedro a 5 de Outubro de 2006 às 17:49
Tem sempre que existir algo mais é algo de mesmo fundamental, vai lendo que saberás o que eu preciso mesmo sentir
Beijos

Comentar post

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Maio 2010

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

.pensamentos recentes

. Desejar e querer

. Dia de lembrar o primeiro...

. Dependencias

. Escutas Telefónicas

. Indignação

. Dia Mundial do Beijo

. Desodorizantes

. Escrita

. Cena do quotidiano

. Horários

.arquivos

. Maio 2010

. Abril 2010

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

.Locais com imenso interesse

blogs SAPO

.subscrever feeds